USINA TERMELÉTRICA REDUZ PASSIVO AMBIENTAL EM REGIÃO PRODUTORA DE ARROZ

ComitivaUTEUma comitiva da Ceriluz, formada por diretores, conselheiros, prefeitos, lideranças regionais e colaboradores, participou no dia 18 de dezembro, de ato de inauguração da Usina Termelétrica São Sepé, na região central do estado. A razão, a participação da Cooperativa como parceira no empreendimento, que recebeu investimento total de R$ 60 milhões, tendo ainda como acionistas a cooperativa Creral (majoritária), de Erechim, e as empresas Erechim Energia e BR Energia, de Porto Alegre, Minozzo Participações, de Nova Prata, e Energia 203, de Santa Maria.

Com potência instalada de 08 MW a usina terá capacidade de gerar 56 milhões de kWh/ano a partir da queima da casca de arroz, o que, conforme a média de consumo das residências do Brasil, é energia suficiente para atender moradores de uma cidade com 30 mil residências. “Nos últimos anos as cooperativas tem buscado aliar-se para juntar esforços e desenvolver projetos grandiosos como este” afirma o presidente da Creral, João Alderi do Prado, mencionando a participação de 10% da Ceriluz no empreendimento. Ele destaca os benefícios que a UTE São Sepé terá, entre eles, reduzir o passivo ambiental da casca de arroz, permitir as arrozeiras ampliarem a produção e, claro, gerar energia e desenvolvimento.

O presidente da Ceriluz, Iloir de Pauli, que esteve no evento também representando a Organização das Cooperativas do RS (OCERGS) e a Federação das Cooperativas de Infraestrutura (FECOERGS) ressaltou que o projeto é importante não apenas por promover a integração entre cooperativas e empresas privadas, mas por representar a inovação do setor, ao investir em uma nova fonte energética. “É um momento histórico para nós, cooperativas de energia, que temos a característica de fazer investimentos em PCHs [Pequenas Centrais Hidrelétricas]. Hoje estamos juntos na inauguração de uma usina térmica que, além de trazer uma solução para o meio ambiente, pelo aproveitamento da casca de arroz na geração de energia elétrica, com certeza, garantirá retorno desse investimento também para a nossa região”, garante Iloir. Segundo ele esse retorno se dará em novos investimentos para o quadro social, especialmente na forma de ampliação do sistema de fibra óptica para distribuição de sinal de internet.

A energia que será gerada pela usina foi vendida em leilão por um período de 20 anos. Durante o período de construção foram gerados 500 postos de trabalho e a partir da entrada em operação serão 32 empregos diretos e indiretos. No final de novembro a usina recebeu as autorizações da Aneel e ONS para entrar em teste e conectar-se ao sistema interligado nacional. A entrada em operação comercial está prevista para 1° de janeiro de 2019.

UTE São Sepé